Go to homepage
GMT
Timezones of the world
Home  |  Reports & Interviews  |  Special EventsOnline Shop Online Shop
Full reports on countries or regions, and interviews to top personalities Articles developed by Winne on any matter regarding emerging markets Forums Store
Search by Region
Click for a bigger map
SSA : ANGOLA : Interview with Sua. Exa. Sr. Eng. AntÓnio Cardoso

Interview with Sua. Exa. Sr. Eng. António Cardoso
Director Nacional da Agricultura e do Desenvolvimento Rural
(Ministro: Sua Exa. Sr. Gilberto Buta Lutucuta)

Luanda, March 5, 2005

Sr. Cardoso, antes da Independencia o sector agrario de Angola estava auto-suficiente. Agora o pais tem de importar muito y contar com ajuda alimentar. Muitas gente diz que tudo seria superado uma vez que a paz seria consolidada. Agora faz 3 anos de paz qual é a situação actual?

O declínio da produção agro-pecuária começa em 1975. Par piorar a situação houve a destruição catastrófica após as eleições de 1992. Assim, o país perdeu, completamente, a sua posição internacional e passou de exportador a importador da maior parte do que consome.
A contribuição da agricultura ao PIB é hoje de 8%. A paz que vivemos vem propiciando a recuperação do sector agrário. Há dois problemas fundamentais que a agricultura tem que resolver:

  • O abastecimento ao mercado interno (auto-suficiência e segurança alimentar). O primeiro aspecto pode ser resolvido a curto prazo através da agricultura familiar; a segurança alimentar será a médio prazo.
  • O segundo problema a resolver é a revolução tecnológica, comercial e competitiva da própria estrutura agrária , a longo prazo. Isto tem a ver com a retoma da exportação. São os desafios que temos.

Desde que o Governo parou o controlo de preços, privatizou mais o sector agrícola e instaurou um programa de crédito rural para assistir os agricultores, que foi que mudou concretamente?

Vai havendo mudanças. É verdade que sistema nacional de crédito rural não está estruturado e é um dos grandes pilares de desenvolvimento rural e agrícola do país. De alguma maneira o governo vai desenvolvendo esforços para financiar a sua própria agricultura e em relação ao pequeno produtor. O sector privado tem sido financiado indirectamente através de reabilitação de infra-estruturas de apoio a produção.

O Conselho dos Ministros aprovou um programa para fomentar a agricultura. O que é prevê o plano?

O sector rural em Angola que engloba a agricultura e agro-pecuária, é o segundo maior sector produtivo do país depois do petróleo. Mas o mérito do sector agrícola não se mede apenas com a potencialidade económica que oferece, mas pelo grosso de população que absorve directamente 60% - 70% da população, ou seja 2/3 da população. Oferece-lhe trabalho, alimentos e moradia.

O modelo de desenvolvimento agrícola e rural não poderá deixar de estar centrado na agricultura familiar e no desenvolvimento das comunidades rurais. Tem de haver lugar também para o empresariado privado impulsionar a própria agricultura.

Como o Governo pensa fomentar a produção interna?

Só temos um rumo. Fomentar a agricultura familiar. Para tal podemos usar novos métodos e tecnologias. Estamos a optar pela extensão rural. Esta é diferente da extensão agrícola. Porém tem um componente muito forte. A extensão agrícola vive apenas da promoção de culturas agrícolas, e a rural inclui também a formação.

A agricultura em Angola é sobretudo de sequeiro. Ou seja depende muito das estações das chuvas.

Uma das questões defendidas recentemente sobre a Estratégia de Segurança Alimentar consiste em alcançar os objectivos previstos no âmbito da Nova Parceria para o Desenvolvimento de África (NEPAD). Qual tem sido o contributo dos organismos africanos para fortalecer a agricultura em Angola?

No âmbito do NEPAD estamos a primar pela utilização racional dos recursos hídricos e temos inúmeras bacia hidrográficas. O governo já preparou o seu programa do qual constam inúmeros projectos que podem ser financiados pelo NEPAD. Estes envolvem prioridades:

  • Projectos de reabilitação de infra-estruturas de irrigação (projectos trans-fronteiriços)
  • Reabilitação de estradas terciárias, para possibilitar o acesso e assim facilitar o escoamento de produtos, que muitas vezes não chegam as pessoas que necessitam.

Sei que a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), disponibilizou para este ano cem mil dólares para o financiamento de micro-projectos de fomento da produção agrícola, no âmbito da campanha Tele- Alimento. Como está a ser gizada a estratégia? O que é que o plano prevê?

O programa Tele-Alimento traduz-se na segurança alimentar. Estamos a desenvolver um projecto não de grande dimensão, projectos que envolvem sobretudo as camadas mais vulneráveis para que elas produzam os seus próprios alimentos. Se essas pessoas continuarem a produzir vai aumentar a produção agrícola. Sendo isto um passo significativo para a segurança alimentar, primeiro a nível da família depois a nível do país.

Sei que não existe uma política nacional de florestas, assim como a transferência de tecnologia no âmbito da cooperação entre países da SADC e a criação do Conselho Nacional de Investigação Cientifica. Que passos estão a ser dados?

Não podemos dizer que não haja uma política florestal. Os recursos florestais não são abundantes. Dos 53 milhões de hectares apenas 2,4 de floresta natural estarão a ser explorados. A floresta exótica, sobretudo do centro sul, tem grandes possibilidade de ser explorada, sobretudo eucalipto e pinheiros.

À semelhança de outros sectores agrários, o florestal, também sofreu o impacto da guerra. Houve um abate indiscriminado à nível da floresta e fauna. Com a paz estamos a reforçar a fiscalização para disciplinar a exploração dos recursos florestais e da fauna. Tendo também em atenção as comissões bilaterais, para envolver os países vizinhos. Trabalhamos em colaboração com a polícia nacional.

Ajuda extrangeira foi vital ao desenvolvimento agricultural para fornecer ferramentas, maquinaria e veículos, equipamento agricultural mas tambem para treinamento de professor. Poderia imaginar-se que os Estados Unidos de América jogaria um papel para este tipo de colaboração? Por exemplo na formação do pessoal ou na modernização do equipamento?

Todos os países serão bem-vindos e sabemos que os EUA têm capacidade para contribuir para o desenvolvimento do sector. O governo sozinho não consegue fazer face aos problemas que equacionar. O sector tradicional não tem acesso às grandes tecnologias, portanto a reformulação do sector far-se-à com o sector empresarial para revolucionar a agricultura, para ter acesso as tecnologias de ponta. Portanto esse sector tem que ser formado até porque ainda é pioneiro e preciso de inputs tecnológico/ formação. Podemos fazer formação fora do país ou on-job.

Os instrumentos de trabalho podem ser produzidos internamente, temos recursos naturais para produzir fertilizantes etc. Precisamos então de investidores que queiram fazer investimentos directos aqui.

Estamos em Angola para promover o pais. E queremos que os investidores americanos sean informados do potencial do sector agrário. Qual seria suo mensagem final para os investidores e leitores de nossa revista U.S. News & World Report?

Angola é um país bom para viver e para investir. Convidamos os fazendeiros e outros investidores a cá virem. As nossas leis favorecem o interesse privado e os recursos agrícolas são imensos. Temos cerca de 50-80 milhões estão disponíveis a agricultura angolana.

 

World Investment News is currently in Angola for the production of an international business report. Should you be interested in contacting our team, please send an email to: info@winne.com, along with your coordinates and area of interest.

 

Want to comment on this article? Or read other people's opinion?
Visit the Angola forum
 

Make World Investment News Your Homepage.
World Investment News: Your Online Source Of Information On Investment Opportunities
© 2004, 2008World INvestment NEws
, Multimedia Information Company
Contact  |  Legal Terms  |  About Us  |  Career Opportunities  |  Sitemap  |  Advertise With Us  |  Related sites